Artigo 3

Dogma da Imaculada Conceição - 150 anos: 1854-2004

Palestra proferida aos 19 maio 2004 no auditório das Filhas da Caridade em Curitiba-PR - Pe. Lourenço Mika, CM

 

1) Definições

 

- Dogma: do Latim, dogma-atis = Decisão. Ponto fundamental e indiscutível de uma doutrina religiosa. Na Igreja Católica Apostólica Romana, ponto de doutrina já por Ela definido como expressão legítima e necessária de sua fé.

- Imaculada: Epíteto com que se designa a Virgem Maria, isenta da mácula do pecado original.

- Conceição: Concepção. A concepção da Virgem Maria pelos pais, Joaquim e Ana, de uma forma privilegiada: imaculada.

- Pecado Original: O pecado (simbólico) de Adão e Eva, transmitido a todos os seus descendentes, que nascem em estado de culpa. Gênesis = Origens. Pecado é transgressão religiosa, com as condições: ato mau-em-si e pleno conhecimento e livre querer por parte do pecador.

- Dogmas de Maria: A Igreja possui quatro Dogmas sobre Maria:

1) Maternidade Divina, Theotokos, proclamado no Concílio de Éfeso, ano 431, celebrado na liturgia em 1º de janeiro;

2) Virgindade Perpétua, definido no Concílio de Constantinopla, em 553;

3) Imaculada Conceição, definido em 1854 por Pio IX;

4) Assunção, definido por Pio XII em 1º de novembro de 1950, celebrado na liturgia em 15 de agosto.

 

2) Roteiro de Maria na Bíblia e na História da Igreja

 

- Gn 3, 14-15: “O Senhor Deus disse à serpente: Porque fizeste isso, serás maldita entre todos os animais e feras dos campos; andarás de rastos sobre o teu ventre e comerás o pó todos os dias de tua vida. Porei ódio entre ti e a mulher, entre a tua descendência e a dela. Esta te ferirá a cabeça, e tu lhe ferirás o calcanhar.”

- Is 7, 14: “O próprio Senhor vos dará um sinal: uma virgem conceberá e dará à luz um filho, e o chamará Deus Conosco.”

- Joaquim no Mosteiro: fontes apócrifas afirmam que Joaquim e Ana eram um casal já idoso e sem filhos. Joaquim se retirou para um mosteiro do deserto da Judéia, onde o arcanjo Gabriel apareceu a ele, anunciando que Joaquim e Ana teriam uma filha, a Mirian, a Formosa (hebraico). O nascimento de Maria é celebrado aos 8 de setembro, Natividade; em Curitiba-PR, Nossa Senhora da Luz.

- Sião: O Monte Sião situa-se dentro dos muros da antiga Jerusalém; é ali que Joaquim e Ana moravam por ocasião do nascimento de Maria. Por isso, Maria é chamada de filha de Sião. No século III, Santa Helena fez construir naquele local a Igreja do Nascimento de Maria que existe, reconstruída, até hoje.

- Lc 1, 27:  Virgem desposada com um varão chamado José.

- Anunciação: celebrada em 25 de março. Em Nazaré, há a Basílica da Anunciação em cujo subsolo está a gruta da anunciação e a fonte de água, na qual beberam Maria, José e Jesus.

- Visitação de Maria a Isabel: celebrada em 31 de maio; Magnificat; em Ein-Karim.

- Nascimento de João Batista: celebrado em 24 de junho; luz que vem antes da luz, tradição da fogueira de São João Batista.

- Belém: 25 de dezembro, nascimento de Jesus. Cronologia Bíblica: ano 5 AC.

- Evangelhos: Versão de Lucas (anunciação, circuncisão de Jesus após 8 dias, apresentação de Jesus no templo após 40 dias, volta a Nazaré) e versão de Mateus (anunciação acontece não a Maria, mas em sonhos a José, visita dos magos, fuga ao Egito). Qual evangelista é mais verossímil?

- Jerusalém: Jesus com 12 anos, perdido e encontrado no Templo.

- Caná da Galiléia: primeiro milagre. Maria aparece na vida pública de Jesus.

- Cruz: Jesus nasceu quando Maria tinha mais ou menos 13 anos. Somados à idade de Jesus, 35 anos, aos pés da cruz, Maria com 48 anos. Basta ver a cronologia encartada na Bíblia Sagrada: Jesus nasceu no ano 5 AC e morreu no ano 30 DC.

- Cenáculo: após a ressurreição Maria ficou morando nos fundos do Cenáculo.

- Éfeso: Maria foi com João a Éfeso. Há uma casa atribuída a Maria em Éfeso.

- Dormição: Maria e João voltaram a Jerusalém. Maria morreu (a morte foi tão suave que se diz que Ela adormeceu), com mais ou menos 55 anos. Ali foi construída a Igreja da Dormição de Maria.

- Túmulo de Maria: o corpo de Maria foi depositado num túmulo no Jardim das Oliveiras, ao lado da Gruta dos Apóstolos no Getsêmani de Marcos; dali foi glorificada - assunta, ressuscitada.

- Coroação de Maria nos céus: oito dias depois da Assunção, no dia 22 de agosto, se celebra a festa de Maria Rainha dos céus e da terra. É o 5º mistério glorioso. A 11 de outubro de 1954, o Papa Pio XII instituiu a festa da realeza de Nossa Senhora.

- Aparições: 1.500 catalogadas ao longo dos séculos. Lista das aparições aprovadas e não aprovadas - www.maikol.com.br, link Artigos, Artigo 3.

- Trajeto para a definição do Dogma da Imaculada Conceição: 1830, Rue du Bac, a inscrição “Ó Maria concebida sem pecado, rogai por nós que recorremos a vós”. 1854, decreto do dogma por Pio IX. 1858, na aparição em Lourdes, Maria diz a Bernadete Soubirous: “Eu sou a Imaculada Conceição”.

 

- Lumen Gentium: Constituição Dogmática sobre a Igreja do Concílio Vaticano II, promulgada aos 21 de novembro de 1964. Capítulo VIII, § 52-69: A Bem-Aventurada Virgem Maria, Mãe de Deus, no Mistério de Cristo e da Igreja:

I. Proêmio: § 52. A Santíssima Virgem no Mistério de Cristo; § 53. A Virgem Maria e a Igreja; § 54. Intenção do Concílio;

II. Função da Santíssima Virgem na economia da salvação: § 55. A Mãe do Messias no AT; § 56. Maria na Anunciação; § 57. A Virgem Maria e o Menino Jesus; § 58. A Virgem Maria no ministério público de Jesus; § 59. A Virgem Maria depois da Ascensão;

III. A Santíssima Virgem e a Igreja: § 60. Maria, escrava do Senhor, na obra da Redenção; § 61. Maternidade Espiritual; § 62. Medianeira; § 63. Maria, como Virgem e Mãe, figura da Igreja. § 64. Fecundidade da Virgem e da Igreja; § 65. Virtudes de Maria que a Igreja deve imitar;

IV. O Culto da Santíssima Virgem na Igreja: § 66. Natureza e fundamento deste culto; § 67. Espírito da pregação e do culto;

V. Maria, sinal de esperança certa e de consolação para o Povo de Deus peregrino: § 68 e § 69. Já glorificada no céu em corpo e alma.

 

- Catecismo da Igreja Católica: promulgado aos 11 de outubro de 1992. No Índice Analítico, no verbete MARIA: Culto de Maria, Igreja e Maria, Maria como modelo, Maria na Economia da Salvação, Nomes de Maria.

 

- Brasil: Nossa Senhora da Conceição Aparecida, pescada em 1717: 8 de dezembro (dia santo), 12 de outubro (feriado). 8 de setembro de 2004, centenário da primeira coroação: João Paulo II decretou indulgências desde 1º de maio a 31 de dezembro de 2004, mediante confissão, comunhão, Pai-Nosso, Credo, oração a Maria. 8 de setembro de 2004, nova coração (5 coroas selecionadas de 167, mediante concurso).

 

 

3) Bula Ineffabilis Deus

 

O dogma da Imaculada Conceição de Nossa Senhora foi proclamado pelo papa Pio IX, aos 8 de dezembro de 1854, com a bula dogmática Ineffabilis Deus, resultado da devoção popular aliada a intervenções papais e infindáveis debates teológicos. Já nos anos 700, essa celebração existia no Oriente. O calendário romano já lhe devotava uma festa em seu calendário em 1476. Em 1570, Pio V publicou o novo Ofício e em 1708 Clemente XI estendeu a festa, tornando-a obrigatória a toda a cristandade. Quatro anos após a proclamação do dogma por Pio IX, Maria Santíssima apareceu a Bernadette Soubirous dizendo: "Eu sou a Imaculada Conceição". Eis um resumo da bula Ineffabilis Deus:

 

§ 1-3 - Posição e privilégios de Maria nos desígnios de Deus: pecado de Adão veio pela astúcia do demônio; Encarnação do Verbo; Maria com a plenitude da santidade; Maria imune da mancha do pecado original;

§ 4-6 - Tradição da Igreja sobre a Imaculada Conceição: a tradição da fé pertence à autoridade da Igreja.

§ 7-10 - Os Papas favoreceram o culto da Imaculada: Imaculada Conceição é citada na liturgia e foi adotada como padroeira de igrejas e congregações.

§ 11-14 - Os Papas precisaram o objeto do culto da Imaculada: Papa Alexandre VII, na Constituição Sollicitudo Omnium Ecclesiarum, de 8 de dezembro de 1661, diz que “... desde o primeiro instante da sua criação e da sua infusão no corpo, a alma de Maria foi preservada imune de toda mancha de pecado original...”

§ 15-16 - Os Papas proibiram a doutrina contrária: sujeitos às penas contidas nos Livros proibidos... que festa e culto sejam postos em dúvida ou contrariados.

§ 17 - Consenso de Doutos, Bispos e Famílias Religiosas: sustentam e defendem a doutrina da Imaculada Conceição.

§ 18-20 - O Concílio de Trento em harmonia com a Tradição: o Concílio de Trento (1545-63) promulgou o decreto dogmático sobre o pecado original; todos os homens nascem infectados pelo pecado original, menos Maria.

§ 21 - Pensamento dos Padres e dos Escritores Eclesiásticos: vitória sobre o crudelíssimo inimigo do gênero humano.

§ 22-23 - O Proto-Evangelho: Maria esmagou a cabeça da serpente com seu pé virginal.

§ 24 - Figuras bíblicas de Nossa Senhora: arca de Noé, escada de Jacob, sarça ardente de Moisés, templo...

§ 25 - Expressões dos Profetas: trono excelso de Deus.

§ 26-27 - A “Ave-Maria” e o “Magnificat”: cheia de graça; bendita entre as mulheres.

§ 28 - Paralelo com Eva: Eva escutou a serpente.

§ 29 - Expressões de louvor: lírio entre espinhos; jardim plantado por Deus; fonte límpida; livre de todo contágio de corpo, de alma e de intelecto.

§ 30-31 - Imaculada: A Virgem Mãe de Deus não devia ser concebida por Ana antes que a graça afirmasse o seu poder; a natureza cedeu ante a graça.

§ 32-34 - Consenso unânime e Petições para a Definição do Dogma: desde os tempos mais antigos, bispos, eclesiásticos, ordens regulares e mesmo imperadores e reis apresentaram vivas instâncias a esta Sé Apostólica a fim de que fosse definida como dogma de fé católica a Imaculada Conceição da Santíssima Mãe de Deus.

§ 35-40 - Trabalho de preparação: Constituímos uma comissão especial de veneráveis... com o encargo de examinarem tudo o que diz respeito à Imaculada; 2 de fevereiro de 1849, de Gaeta, Encíclica, consultando bispos sobre o dogma; convocado um Consistório.

§ 41-42 - A Definição do dogma: Declaramos, pronunciamos e definimos que a doutrina que sustenta que a beatíssima Virgem Maria, no primeiro instante de sua Conceição, por singular graça e privilégio de Deus onipotente, em previsão dos méritos de Jesus Cristo, salvador do gênero humano, foi preservada imune de toda mancha de pecado original; essa doutrina foi revelada por Deus, e por isto deve ser crida firme e inviolavelmente por todos os fiéis. Se alguém deliberadamente entende de pensar diversamente de quanto por nós foi definido, está condenado.

§ 43-45 - Sentimentos de esperança e exortação final: escutem as Nossas palavras todos os caríssimos filhos Nossos e da Igreja Católica. Dado em Roma, a 8 de dezembro de 1854, nono ano do Nosso Pontificado. Pio IX.

 

 

4) Vídeo:

- Igreja de Santa Ana, Nazaré, Ain-Karim, Belém, Caná da Galiléia, Calvário, Dormição, Túmulo, Rijeka.

 

- Estrelas: 12 da CEN (Revista Internacional de Teologia CONCILIUM, Fascículo 304/2004/1. Editora Vozes)

 

 

 

Curitiba, maio de 2004

Lourenço Mika

www.maikol.com.br

Free business joomla templates